sexta-feira, 20 de março de 2009

retomando...

Hoje é sexta-feira. A Vanessa me perguntou de tarde se eu queria sair e eu disse que não, preferia amanhã. Mas, como ela queria muito sair hoje, eu disse que sim. Agora há pouco, com muita preguiça, tomei banho, botei uma roupa preta com brilhos e mandei um sms a ela perguntando se estava confirmada a saída. Ela respondeu “sem chance” e eu pensei “que bom”.

Vim pra internet. Vestida de preto, com brilhos, e o Globo Repórter ao fundo. “Estamos gastando bem o nosso dinheiro?” Não sei. Prefiro quando falam de pesquisas em saúde, do poder dos alimentos, coisa e tal. Mas deixei a voz do Sérgio Chapelin baixinho.


Falando em pesquisas de saúde, cobri uma audiência pública nesta manhã sobre células-tronco. Uma das palestrantes disse que há muitos avanços na área, mas que não há milagres. E deu um site que revela todos os testes clínicos em andamento com seres humanos: clinicaltrial.gov.


Também disse que não há nenhuma terapia celular consolidada, fora os transplantes de medula óssea. Isto é, há vários estudos com seres humanos (nenhum envolvendo células embrionárias), mas os médicos ainda não podem sair receitando tratamentos com células-tronco a seus pacientes.


Segundo ela, não se sabe exatamente que células estão exercendo determinado efeito, mas isso não chega a ser um problema: “Por muito tempo se tomou aspirina sem se saber direito como ela agia”.




[caption id="attachment_569" align="alignleft" width="310" caption="A medicina que faz milagres: tratamentos com células-tronco no Brasil (23/11/2005) / Estes bebês são pioneiros de uma revolução* (24/03/2004)"][/caption]

Por fim, a palestrante disse que não é pra acreditar em tudo o que a mídia diz. E mostrou duas capas da revista Veja que, segundo ela, apresentam o assunto de forma sensacionalista.


Embora, no interior da revista, a matéria esteja correta e esclareça a real situação das pesquisas, a maioria das pessoas não chega à terceira página, disse a cientista.


*Em vez de falar em revolução, ela prefere o termo promessa. Mas foi uma das palestrantes, e não a mídia, quem associou as terapias com células-tronco àquilo que representaram os antibióticos em outros tempos.


***


Ontem, quinta-feira (19), viajei a Não-Me-Toque para acompanhar audiência pública sobre os impactos da crise mundial no Estado. Os participantes redigiram um documento com sugestões que foram entregues ao ministro da Agricultura.


Sempre me divirto nessas viagens. Mesmo tendo ficado numa espelunca e congelado por dez horas na ida e na volta (cheguei a comprar um par de meias no caminho pra esquentar os pés), os colegas, as piadas e o ‘conhecer lugares novos’ compensam.


***



Assim que cheguei a Porto Alegre, fui ao Bourbon Country com a Elenise para assistir a uma peça do Paulo Goulart e da Nicete Bruno: O Homem Inesperado (cortesia da Noemia, pra variar :). Muito legal.

Me lembrou um pouco o relato do professor Assis Brasil sobre o livro A Fera na Selva, de Henry James (digo o relato e não o livro porque não o li). Mas às avessas, já que os personagens da peça no fim “se entregam”.

Acho que não está mais em cartaz.

3 comentários:

  1. Ai, a revista Veja!

    Não são só as capas que desinformam...

    ResponderExcluir
  2. O que que é esse bicho aí?? :o)

    ResponderExcluir
  3. o gerador de monstrinhos se puxou... não sei se é um pirata caolho, um pacman ou uma piranha cor-de-rosa... tu tem algum desses traços de personalidade? :)

    a veja é fogo...!

    ResponderExcluir